terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Circo da Vida traz Kleber Lucas e Irmão Lázaro a Santa Clara


Confira as próximas atrações na programação do Projeto Missionário Circo da Vida 2015. No dia 30 de Janeiro sobe ao palco Kleber Lucas e Banda. No dia 05 de Fevereiro, pela primeira vez no Circo da Vida, direto de Salvador/BA, Irmão Lázaro e Banda.

A cada dia uma ministração diferente e muitas bênçãos de Deus. A temporada 2015 teve início no dia 31 de Dezembro e se estende até o dia 17 de Fevereiro, sempre de quinta-feira a domingo, a partir das 20 horas.

O Circo da vida atrai milhares de pessoas à Praia de Santa Clara, com uma programação que une a palavra de Deus à boa música gospel, além da evangelização através de outras manifestações artísticas, como o teatro e a dança com os grupos de coreografias. 

Em 2014 o projeto recebeu o reconhecimento do Estado do Rio de Janeiro com a aprovação da Lei Estadual que instituiu o dia 1º de janeiro como Dia do Circo da Vida e a terça-feira de Carnaval como o Dia do Bloco do Cordeiro. Tanto o Circo da Vida, quanto o Bloco do Cordeiro são iniciativas da Igreja Batista Praia Clara, em Santa Clara. Em 2015 o Circo da Vida entra em sua 13ª edição.


Esporte Clube São Francisco é bicampeão no Espírito Santo


Equipe de futebol formada em parceria com clube de Travessão de Campos fez bonito na Taça Cidade de Alfredo Chaves, nas categorias Sub-13 e Sub-15



As equipes de futebol do Esporte Clube São Francisco e União Atlético Clube de Travessão de Campos conquistaram mais um título da Taça Cidade de Alfredo Chaves, no Espírito Santo, nas categorias Sub-13 e Sub-15.  A parceria do Esporte Clube São Francisco e União Atlético segue rendendo bons frutos. As equipes se unem e disputam competições nos Estados do Rio, Espírito Santo e Minas Gerais. Os atletas mirins treinam nas escolinhas dos dois clubes sob a supervisão do treinador Bahia. A Taça Cidade de Alfredo Chaves faz parte das comemorações de emancipação da cidade de Alfredo Chaves.

Na primeira rodada o Esporte Clube começou bem. O União Atlético, categoria Sub-15, venceu o Rio Branco de Venda Nova do Imigrante por 5 a 2, conseguindo uma virada, depois de estar perdendo por 2 a 0. No Sub-13, a equipe do Esporte Clube São Francisco, também começou vencendo o Rio Branco de Venda Nova por 1 a 0.

No 2º dia de competição, as equipes do Esporte Clube São Francisco, categoria Sub-13 e União Atletico Clube de Travessão, venceram os seus jogos e se classificaram antecipadamente para as finais. O Sub-13 do São Francisco venceu o Olímpico de Carangola-MG por 5 a 1, impondo seu jogo de velocidade durante toda a partida. Em seguida, o União Atlético de Travessão, categoria Sub-15, venceu o Olímpico por 4 a 0 e também protagonizou uma excelente partida de futebol. Impôs seu ritmo de jogo desde o início da partida, e em menos de 15 minutos já vencia por 2 a 0. Ainda no primeiro tempo, o União marcou seu terceiro gol e no segundo tempo, Adrianinho completou o placar de 4 a 0, classificando antecipadamente o União para as finais.

Treinador Bahia e o diretor Hélio Alves
O 3º e último dia de competição, foi realizado neste sábado, 24-01. Pela manhã, o Esporte Clube São Francisco cumpriu tabela e empatou em 1 a 1 com o Alfredo Chaves/Atl. Paranaense. Já classificado, o Sub-13 jogou quase o tempo todo com os atletas descansados e se poupando para o jogo final, que foi realizado na parte da tarde.

O adversário da partida final só foi conhecido após o término da rodada, pois jogavam, simultaneamente, Olímpico de Carangola-MG e Rio Branco F.C. O classificado para enfrentar o Esporte Clube São Francisco acabou sendo o Venda Nova, que teria então a oportunidade de revanche, já que em 2014 as duas equipes se enfrentaram, e o título de campeão ficou com o São Francisco.

Novamente o Esporte Clube São Francisco levou a Taça. Na partida, realizada na parte da tarde, houve empate em 1 a 1 e na decisão por pênaltis o Esporte Clube São Francisco levou a melhor e venceu, mais uma vez, o Rio Branco, sagrando-se Bi-Campeão da 4ª Taça Cidade de Alfredo Chaves,  categoria Sub-13.

Já o União Atlético de Travessão, venceu o Rio Branco por 3 a 0 na decisão e conquistou o título na categoria Sub-15.

Desde 2010 Esporte Clube São Francisco e União Atlético Clube fazem uma parceria de sucesso, disputando diversas competições, integrando a juventude de São Francisco de Itabapoana e Campos dos Goytacazes,  além de criar oportunidades para que esses jovens despertem para possíveis carreiras como atletas profissionais.



Blog do Paulo Noel com informações da Ascom-ECSF

Prefeito de SFI participa do lançamento do Plano Emergencial do Estado para conter os efeitos da seca


Em busca de recursos para amenizar os impactos da estiagem na região, o prefeito Pedrinho Cherene acompanhou, nesta segunda-feira (26), na cidade de Italva, no Noroeste do Estado,  o governador  Luiz Fernando Pezão,  na solenidade de lançamento do Rio Rural Emergencial, que são benefícios destinados  a pequenos produtores do Norte e Noroeste fluminense para o enfrentamento dos efeitos da estiagem no âmbito rural.

O prefeito Pedrinho Cherene destaca a sua preocupação com os produtores rurais da região. “Quase cem por cento da nossa economia é oriunda da agricultura, por isso faz-se necessário unir esforços para diminuir significativamente os prejuízos decorrentes da seca. Acredito que todos saem dessa solenidade aliviados com as boas ações anunciadas pelo governador para beneficiar os pequenos produtores”, ressaltou

O governador Pezão, anunciou, que, nesta próxima quarta-feira (28), vai apresentar à presidente Dilma Roussef um plano para conter os prejuízos da estiagem. Ele explicou que a proposta foi elaborada por técnicos da Cedae e da Secretaria estadual do Ambiente.

“Presume-se que a estiagem vai continuar no próximo mês e, logo, algumas cidades continuarão sendo prejudicadas com a seca. Por isso vou discutir com a Presidente ações emergenciais e projetos para superarmos esse período de seca. Vale destacar o programa de reflorestamento das margens dos rios Paraíba do Sul e Guandu, além do projeto de saneamento da Região Metropolitana do Rio”, disse.


Com informações da Ascom-SFI

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Manguinhos, local do litoral onde aportavam navios negreiros

Naquela Praia foi descoberto um cemitério de escravos, reconhecido como sítio arquelógico pelo Ipahn. 

O Blog do Paulo Noel esteve na Praia de Manguinhos e mostra para nossos internautas o ponto da Praia onde, segundo historiadores, aportavam os navios negreiros. Conheça também o local da descoberta do possível cemitério de escravos que despertou a atenção de técnicos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Duas arqueólogas do Instituto visitaram o local em 2003. Depois de analisar o material encontrado, o acervo foi registrado no órgão sendo reconhecido como sítio arqueológico.

Após análises preliminares, há fortes indícios de que as ossadas possam ser de escravos, já que dados históricos indicam que a costa sanfranciscana foi uma região de grande importância no comércio de escravos no período colonial.

Em artigo escrito e publicado nesta segunda-feira, 26-01, no Blog, o professor e ambientalista Arthur Soffiati diz que Manguinhos foi praia de desembarque de escravos trazidos da África depois de proibido o tráfico pelas Leis Euzébio de Queiroz (1850) e Nabuco de Araújo (1854). O principal traficante era André Gonçalves da Graça, que morava em São João da Barra, tinha casa em Gargaú e transportava os escravos para a Fazenda São Pedro, hoje integrante da Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba. Os que morriam eram enterrados na Praia de Manguinhos. Recentemente, o movimento do mar desenterrou um verdadeiro cemitério de escravos.

Histórico

A primeira ossada encontrada na praia de Manguinhos ocorreu na década de 70. Em 2003, depois de uma forte ressaca, vários outros esqueletos foram descobertos. Na época um outro instituto avaliou o acervo, mas não houve respostas quanto ao material analisado. Veja o vídeo feito pelo Blog.

 


Carro cai em vala na Praia de Guaxindiba



Veículo foi parar na vala após uma manobra mal feita (Fotos: Gabriel - Internauta) 

Um carro caiu numa vala na Praia de Guaxindiba na tarde desta segunda-feira, 26-01, no Litoral de São Francisco de Itabapoana. Segundo informações chegadas à redação do Blog, quatro jovens, que seriam menores de idade, estavam no interior do carro, quando após o motorista realizar uma manobra, o veículo caiu na vala.

Os ocupantes do carro, um Ford Fiesta prata, nada sofreram. A vala que deságua no Manguezal da Ilha dos Mineiros, no entorno do Rio Guaxindiba, está praticamente seca, já que a região enfrenta uma das piores secas dos últimos tempos.

Com a ajuda de um caminhão o carro foi retirado da vala.





Detran leva serviço de vistoria itinerante a 49 municípios do interior em fevereiro


Serviço já pode ser agendado por telefone. Em SFI serão disponibilizadas duas vistorias.

Durante o mês de fevereiro, o DETRAN vai visitar 49 municípios do interior do estado para oferecer serviços como licenciamento anual, transferência de propriedade, transferência de município, transferência de jurisdição, 2ª via de CRV, inclusão e baixa de alienação, além de alteração de características. Em São Francisco de Itabapoana serão duas vistorias, dias 11 e 25 de fevereiro.

Com a visita dos vistoriadores, a partir de segunda-feira (2/2), o DETRAN evita que seus clientes precisem se deslocar até cidades vizinhas para regularizar os veículos.

Para agendar o serviço, os motoristas devem ligar para 0800-0204040 e 0800-0204041 ou acessar o site www.detran.rj.gov.br.

Confira abaixo o calendário completo de vistorias no mês de fevereiro:

02/02 – Pinheiral, Natividade, Conceição de Macabu, Engenheiro Paulo de Frontin;
03/02 – Rio das Flores, Varre-Sai, Quissamã, Seropédica;
04/02 – Levy Gasparian, Porciúncula, Carapebus, Rio Claro;
05/02 – Três Rios, Laje do Muriaé, Rio das Ostras, Paraty;
06/02 – Areal, Italva, Rio das Ostras, Mangaratiba;
09/02 – São José de Ubá, São Fidelis, Silva Jardim, Duas Barras;
10/02 – Cambuci, Cardoso Moreira, Iguaba Grande, Cantagalo;
11/02 – Aperibé, São Francisco de Itabapoana, Arraial do Cabo, São Sebastião do Alto;
12/02 –  Itaocara, São João da Barra, Saquarema, Santa Maria Madalena;
19/02 – Guapimirim, São José do Vale do Rio Preto, Tanguá, Piraí;
20/02 – Japeri, São José do Vale do Rio Preto, Saquarema, Mendes;
23/02 – Carmo, São Fidélis, Conceição de Macabu, Bom Jardim;
24/02 – Sumidouro, Italva, Quissamã, Trajano de Moraes;
25/02 – Sapucaia, São Francisco de Itabapoana, Carapebus, Itatiaia;
26/02 – Três Rios, São João da Barra, Rio das Ostras, Porto Real;
27/02 – Areal, São João da Barra, Arraial do Cabo, Quatis.


Ascom DETRAN

Estado do RJ lança plano emergencial para ajudar produtores rurais no período de seca


O governador Luiz Fernando Pezão, o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, e o representante do Banco Mundial, Gregor Worf, lançaram, nesta segunda-feira (26/1), no município de Italva, o programa Rio Rural Emergencial – um conjunto de ação que visa ao enfrentamento dos efeitos da estiagem no Norte e Noroeste fluminense.

O plano de contingência contará com R$ 23 milhões do Governo do Estado e R$ 30 milhões do Banco Mundial – por intermédio do Programa Rio Rural – totalizando R$ 53 milhões em investimentos para ajudar os produtores rurais. Os recursos serão aplicados, por exemplo, em sistemas de nutrição para os rebanhos (que sofrem com a falta de pasto) e na perfuração de poços artesianos para uso coletivo.

 – Essas iniciativas vão nos ajudar a enfrentar esse momento difícil. Mais de 13 mil produtores vão ser beneficiados por esses poços artesianos – afirmou o governador.

De acordo com Christino Áureo, o Estado vai encaminhar um ofício ao Banco do Brasil e à Caixa Econômica Federal – com base no manual de crédito rural – solicitando a prorrogação de todos os financiamentos rurais de investimento e custeio destas instituições financeiras, assim como das linhas de créditos que contam com recursos estaduais.

– O Rio de Janeiro está sendo assolado por uma das maiores estiagens. O Rio Rural já agia preventivamente na preservação de nascentes, replantio de matas ciliares, construção de açudes, recuperando o principal produto da agropecuária, que é a água.  Já temos 1.270 nascentes preservadas, 72 mil famílias atendidas e, até 2016, serão investidos R$ 500 milhões na recuperação da agricultura com sustentabilidade – disse Christino Áureo.

Para execução do plano, foi criada uma força-tarefa formada por técnicos das empresas vinculadas à secretaria de Agricultura – Emater-Rio e Pesagro-Rio – e da Defesa Agropecuária. As ações vão beneficiar cerca de 13 mil pequenos produtores  e serão executadas durante todo o ano de 2015. Além dos municípios das regiões Norte e Noroeste, também receberão auxílio agricultores familiares de São Sebastião do Alto, Cantagalo e Trajano de Moraes, cidades da Região Serrana mais afetadas pela estiagem.

Para ter acesso aos benefícios, os proprietários deverão adotar práticas indicadas pelo programa Rio Rural, que promove a agricultura sustentável em 350 microbacias do estado. Implementado em 2008, o programa vem incentivando, com recursos do Banco Mundial, a preservação de nascentes, o replantio de matas ciliares e ações de manejo sustentável, entre outras ações, que visam especialmente à preservação das águas no ambiente rural.

Produtores esperam que programa diminua o prejuízo de 2014

O produtor Jovelino Máximo de Azevedo tem um sítio em Italva, onde costumava trabalhar com toda a família na produção de leite, frutas e legumes.

– São três anos de pouca chuva. Espero mesmo que esse projeto de irrigação nos ajude a diminuir esse prejuízo – diz.

 No sítio de Jovelino será construído um poço artesiano que deverá beneficiar também a propriedade do produtor de leite Nilton Fernandes. Cada poço perfurado em um sítio vai irrigar outras cinco ou seis propriedades vizinhas. Nilton faz parte do programa Rio Rural desde 2007 e não tem sentido tanto os efeitos da seca graças a algumas atitudes simples. Orientado por funcionários da secretaria de Agricultura, ele implementou um sistema de irrigação que usa menos água, além de ter preservado a mata ciliar e a área de recarga – que é um trecho com árvores no topo de um morro que ajuda a reter a água da chuva por mais tempo.

– Mesmo sem chuva, o meu pasto continua verde. Tenho cerca de 30 cabeças de gado e não estou precisando gastar com ração. Não tive prejuízo com essa seca, mas a irrigação vai ajudar muito todos os produtores dessa região – observou.

Estado incentiva implantação de antenas telefônicas na zona rural

Outra ação destinada às zonas rurais do estado foi uma lei, sancionada semana passada, para incentivar a instalação de antenas de telefonia celular e internet nas áreas rurais.  Em contrapartida, haverá redução do ICMS pago pelas operadoras.

A iniciativa se soma ao Vozes da Produção, parte do programa Rio Rural, da Secretaria de Agricultura e Pecuária, que conta com recursos do Banco Mundial, e ajudará a interiorizar o acesso aos meios de comunicação e melhorar a qualidade de vida das famílias de agricultores. Além disso, vai contribuir para ampliar a produção sustentável, facilitando o contato entre produtores, fornecedores e compradores e promovendo o desenvolvimento econômico e social do estado.

- Estamos criando uma atratividade para tornar efetiva a universalização da telefonia celular e da internet 4G para todo o estado - afirmou o secretário de Agricultura e Pecuária, Christino Áureo.

Atualmente, segundo as regras da Anatel, as operadoras que oferecem serviços de internet 4G na Região Metropolitana são obrigadas a levar apenas telefonia fixa a um raio de até 30 quilômetros a partir da sede dos municípios. A nova lei fluminense é um estímulo à ampliação da oferta de serviços telefônicos.

Com a adesão de novos usuários, não haverá perda de receitas aos cofres públicos com os incentivos fiscais concedidos às empresas.


- Cerca de 70% da área rural do Rio de Janeiro estão descobertos. A lei sancionada expande o atendimento, uma vez que a empresa de telefonia poderá abater o investimento realizado em 2015, nos impostos a serem pagos a partir de 2016 – disse o secretário. (Núcleo de Imprensa-RJ)

Final de semana de esporte radical no litoral de SFI


Competição de Fusca Cross animou a Praia de Guaxindiba (veja mais fotos aqui)

Uma grande estrutura com tendas, banheiros químicos, trio elétrico, velocidade, adrenalina e muita emoção. Assim foi a 1ª Copa Norte de Fusca Cross, realizada na localidade de Guaxindiba, no litoral de São Francisco de Itabapona, na tarde deste último domingo (26), pela Associação Fusca Cross, com apoio e promoção da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer.

A competição aconteceu numa pista de corrida, onde dez competidores tinham que realizar três baterias de oito voltas, totalizando 24. Os seis primeiros participantes que completaram a prova receberam troféus.

Os competidores, com seus fuscas bem equipados, numerados e pintados com cores chamativas, atraíram a atenção de um grande público, que curtia cada manobra radical. A equipe da secretaria municipal de Saúde esteve presente durante a disputa. 


O secretário municipal de Esporte e Lazer, Noel Júnior, comemorou o sucesso do evento. “É muito gratificante ver em pleno domingo muitas pessoas prestigiando a nossa programação esportiva de verão, uma vez que poderiam estar em casa ou na praia curtindo o banho de mar. Isso nos motiva a investir mais e promover mais qualidade de vida por meio do esporte”, destacou.   (Ascom-SFI)

Soffiati escreve artigo sobre avanço do mar em Manguinhos


Erosão na Praia de Manguinhos

O Blog publica abaixo o artigo “Manguinhos” do professor e ambientalista Arthur Soffiati, em que aborda a erosão do litoral e o avanço do mar em alguns pontos entre a Foz do Rio Itapemirim, no Espírito Santo e a do Rio Macaé no Estado do Rio de Janeiro. Soffiati escreveu esse artigo após um recente avanço do mar na Praia de Manguinhos. O local é estudado pelo professor desde a década de 80.

Sobre o avanço do mar em Manguinhos, Soffiati lembra que as casas foram construídas sem que respeitasse o limite de 300 metros a contar da maré alta. Ele não acredita que intervenções costeiras tenham provocado o fenômeno.

Entretanto, outro caso de avanço do mar recente, ocorrido na Praia do Açu, segundo Soffiati, tem como causa determinante o Complexo Portuário do Açu. O ambientalista analisa também o assoreamento da Foz do Rio Itapemirim, em Marataízes, atribuindo o problema ao espigão de pedra construído pelo Poder Público. Sobre o avanço do Mar em Atafona, o ambientalista aponta como fator a perda de vazão do Rio Paraíba, o desmatamento da bacia como um todo e as barragens construídas no rio principal e nos rios da bacia.

Como instrumento democrático do jornalismo responsável, o Blog se coloca à disposição para ouvir um contraponto das partes citadas no texto.

Boa leitura!

Manguinhos
Arthur Soffiati

Morando em Campos desde 1970, só conheci a Praia de Manguinhos no início da década de 1980. Desejávamos comprar uma casa numa praia calma do Norte Fluminense. Indicaram-nos Manguinhos, que, à época, fazia parte do Município de São João da Barra. Ao chegarmos ao local, minha atenção foi voltada para o pequeno centro e pela única rua paralela à praia, com casas de um lado e de outro.

A partir de 1996, a praia entrou profundamente nos meus estudos, pois eu redigia minha tese de doutorado sobre os manguezais da região que se estende do Rio Itapemirim, no Espírito Santo, ao Rio Macaé, no Estado do Rio de Janeiro, que passei a denominar Ecorregião de São Tomé por coincidiram seus limites com a Capitania de São Tomé, doada a Pero de Góis, e por sua grande unidade ecológica.

Em minhas longas caminhadas pela costa, topei com uma córrego na ponta norte de Manguinhos, já muito adulterado, com alguns pés de mangue branco bastante anômalos em relação ao padrão normal. Em vez de crescerem em zig-zag, os galhos se desenvolvem em forma de touceira. A localidade se cresceu acima da ponta norte da grande restinga formada pelo mar e pelo Rio Paraíba do Sul. Manguinhos situa-se em terreno de tabuleiro, uma formação antiga estimada em 60 milhões de anos, constituída por material transportado da zona serrana. Sua configuração é ondulada e, a partir de Manguinhos, formam-se falésias no tabuleiro, verdadeiros paredões de argila e concreções ferruginosas que se estendem até o Estado do Amapá.

No trecho costeiro de Manguinhos até o Rio Itapemirim, o mar avançou sobre o tabuleiro, formando antigas praias com o material geológico mais duro numa costa desprovida de pedras. E na sua extremidade setentrional, desemboca o córrego que aporta água doce que, em mistura com a água salgada do mar, forma água salobra apropriada para o desenvolvimento de um manguezal, embora muito restrito. O nome do lugar deve ser atribuído a ele.

Esse córrego tem sua nascente no próprio tabuleiro e conta apenas com um afluente. Talvez contasse com um segundo, que, pouco a pouco, foi separado do curso d'água principal. Ele descreve um acentuado meandro antes de chegar ao mar. Tanto a agropecuárias quanto interesses imobiliários barraram o sistema hídrico, principalmente para formar uma lago para recreação. Sobre a foz, havia uma ponte com acesso subdimensionado para água doce e a água salgada, dificultando o desenvolvimento do manguezal.

Manguinhos foi praia de desembarque de escravos trazidos da África depois de proibido o tráfico pelas Leis Euzébio de Queiroz (1850) e Nabuco de Araújo (1854). O principal traficante era André Gonçalves da Graça, que morava em São João da Barra, tinha casa em Gargaú e transportava os escravos para a Fazenda São Pedro, hoje integrante da Estação Ecológica Estadual de Guaxindiba. Os que morriam eram enterrados na Praia de Manguinhos. Recentemente, o movimento do mar desenterrou um verdadeiro cemitério de escravos.

Por duas vezes bem distintas, presenciei o avanço do mar e a erosão da praia. Na primeira, eu estava na companhia do Professor e limnólogo Francisco de Assis Esteves, da UFRJ. Levantou-se a possibilidade da contribuição do Córrego de Manguinhos no processo erosivo, mas logo descartada pela ínfima vazão dele. Recebo agora fotos de Ana Maria Siqueira, residente em São Francisco de Itabapoana, registrando um novo avanço do mar e um processo erosivo mais intenso que o anterior.

Qualquer solução para processos erosivos periódicos e permanentes, bem como grandes empreendimentos, na costa que se estende do Rio Itapemirim ao Rio Macaé, deve ser muito pensada porque esta costa não contém formações pedregosas, como acima e abaixo dos rios mencionados. Trata-se de uma costa nova, baixa, lisa e frágil. Procurem pedras e baías nelas e não encontrarão. Essa costa é imprópria para a construção de grandes obras. Onde elas são efetuadas, ocorrem problemas. Nessa costa, além de Manguinhos, registram-se quatro pontos de erosão. Do norte para o sul, são os seguintes.

1- Marataízes, no Espírito Santo: tudo indica que a erosão, ali, foi provocada por um pier (espigão de pedra) construído na margem direita da foz do Rio Itapemirim para estabilizar o canal do rio e permitir a entrada e saída de embarcações. O resultado parece ter sido desastroso por não ter sido a obra precedida de estudos prévios de impacto ambiental. O espigão passou a reter areia e a assorear a foz do rio. Por outro lado, a areia que se depositava na praia do centro do Marataízes, não chegando mais a ela, passou a sofrer erosão do mar. A solução do problema foi muito cara para os cofres municipais: a construção de uma praia com pedras amarradas por uma rede de aço e areia lançada sobre ela.

2- Delta do Rio Paraíba do Sul: especialistas, como Dieter Müehe, Enise Valentini e Cláudio Neves atribuem a erosão do delta a perda de vazão do rio e a sua incapacidade de enfrentar a energia do mar. A perda de vazão seria resultado do desmatamento da bacia como um todo e das barragens construídas no rio principal e nos rios da bacia.

3- Açu: Parece não haver dúvida de que a erosão na praia do Açu e no Cabo de São Tomé se deve ao Complexo Industrial e Portuário em construção na região. Os Estudos de Impacto Ambiental (EIA) do estaleiro do Açu, um dos empreendimentos do complexo, previu processos erosivos sem precisar o local. Construídos os dois espigões do estaleiro, a praia do Açu e o Cabo de São Tomé começam a sofrer erosão do mar. A Prumo, que comprou grande parte do complexo, contratou o especialista em dinâmica costeira Paulo Cesar C. Rosman, que garantiu não estar a erosão relacionada com o Complexo do Açu. No entanto, os pesquisadores Marcos Antonio Pedlowski, da UEF, e Eduardo Bulhões, da UFF/Campos, asseguram essa relação.

4- Barra do Furado: não há dúvida de que o prolongamento do Canal da Flecha mar adentro por dois píeres construídos nos anos de 1980 pelo Departamento de Obras e Saneamento retém sedimentos arenosos do lado de Quissamã, engrossando a praia e erode a Praia de Boa Vista, do lado de Campos.

A erosão da Praia de Manguinhos não pode ser atribuída a nenhuma intervenção costeira, pois se situa distante de dois pontos de acentuada erosão: Marataízes e o Delta do Paraíba do Sul. Só por conjecturas, podemos explicá-la. Lembremos que a praia era maior em torno de dez mil anos antes do presente e que o avanço (transgressão) progressivo do mar estreitou a faixa de areia.

Quando Manguinhos foi colonizada, a rua paralela à costa foi construída de ambos os lados. A legislação vigente determina que se deve deixar livre uma faixa de 300 metros a contar da maré alta. Na época, não existia tal obrigatoriedade, dificilmente respeitada nos dias de hoje, mas já havia a exigência de se construir apenas de um lado da rua. Búzios sofreu esse problema, com casas bloqueando o acesso à praia. Em caso de ressaca, as casas próximas do mar podem ser danificadas. É o que está acontecendo em Manguinhos.

Eventos de erosão podem se agravar com a instalação do anunciado Porto de Canaã, ao norte de Manguinhos, pois intervenções no mar estão projetadas. A maior delas se assemelha a uma colher voltada para o sul, que pode reter areia em direção a Manguinhos, assim como o Terminal Portuário (TEPOR) que se pretende instalar em Macaé, no mesmo trecho de costa que examinamos aqui.
               
Por fim, fica a proposta de criação de Área de Proteção Ambiental (APA) de Manguinhos, tipo de Unidade de Conservação que mais se ajusta à praia. Ela protegeria o próprio Córrego de Manguinhos, seu afluente, as manchas de vegetação nativa, o manguezal e o cemitério indígena.

Erosão na Praia de Manguinhos
Córrego de Manguinhos em cheia no passado, em que a ponte foi arrastada. (Fotos: Arthur Soffiati)

Final de semana repleto de atrações no litoral de SFI


Jorge Aragão levou o melhor do samba a Gargaú, no sábado (24)

População e turistas mais uma vez tiveram a oportunidade de desfrutar de um final de semana com diversas atrações nas praias do litoral do município de São Francisco de Itabapaona.

A  Sexta-feira (23),  na praia de Santa Clara,  às 23h30,  foi de muito rock e pop rock com a banda Versão 4.0. 

No Sábado (24), na Praia dos Sonhos, às 15h, Juninho do Forró agitou os frequentadores do local. Em Barra do Itabapoana, às 17h, mais forró com a banda Amigos do Forró. Quase finalizando a noite, na mesma localidade, quem subiu ao palco foi a banda Cartão Postal. Em Santa Clara, às 23h30, quem subiu ao palco foi o cantor Apolo, que agradou ao público tocando variados estilos musicais.

Ainda no sábado, em Gargaú, um grande público curtiu o show nacional de Jorge Aragão e logo após Jorge e Davi.

O Domingo em Gargaú foi de Rock n’ Roll no início da tarde com a banda Instinto R.  A Banda Amigos do Forró fez muita gente arrastar o pé, às 14h,   na Praia de Tatagiba.  Já em Guaxindiba, às 19h, a prata da casa, Mazinho e Banda, embalou o público com variados estilos musicais.


O prefeito Pedrinho Cherene tem participado dos eventos no município e reafirmou o seu compromisso no que se refere aos investimentos no turismo da região. “Este foi mais um ano que a prefeitura, por meio da secretaria de Turismo, Indústria e Comércio, elaborou uma boa programação bem diversificada e estrutura para receber um público significativo de turistas na nossa região. Continuaremos investindo no verão sanfranciscano para beneficiar munícipes e turistas”, ressaltou. (Ascom-SFI)

Grave acidente com moto em Valão Seco


Três pessoas que estavam na moto foram socorridas para o Hospital Ferreira Machado.

Um grave acidente ocorrido por volta das 14 horas deste domingo, 25, na RJ-224 em Valão Seco deixou feridos o motociclista Daniel, a companheira Ana Paula e a filha de Ana Paula, Juliana. Todos os feridos moram na localidade de Valão Seco.

O casal com a menina pretendiam passar o domingo no açude da propriedade de Ramiro. Antes de entrar na curva da subestação da concessionária de energia da Ampla em Valão Seco, aconteceu a colisão da moto com um veículo ainda não identificado.

Daniel teve fratura exposta da perna, a criança Juliana ferimentos no braço e perna. A mãe Ana Paula teve graves ferimentos na perna. Todos foram submetidos a cirurgia no Hospital Ferreira Machado. Ana Paula após a cirurgia permaneceu na UTI. Seu estado de saúde inspira cuidados.

Atualizado às 09h30
Marcele, tia de Ana Paula, disse que infelizmente a sobrinha teve que amputar uma perna e que ela continua na UTI do Hospital Ferreira Machado. Disse que a filha Juliana, 10 anos,  está bem, fora de perigo de morte. "O caso que mais preocupa é realmente da minha sobrinha", disse Marcele em entrevista concedida na manhã desta segunda-feira à Rádio São Francisco FM.  

Estado lança plano emergencial para enfrentar efeitos da seca nas áreas rurais

Ações vão beneficiar cerca de 13 mil pequenos produtores prejudicados pela estiagem nas regiões Norte e Noroeste
O governador Luiz Fernando Pezão e o secretário estadual de Agricultura, Christino Áureo, lançam, nesta segunda-feira (26/1), às 11h, em Italva, na Região Noroeste, o Rio Rural Emergencial para enfrentamento dos efeitos da estiagem no Norte e Noroeste fluminense.

O plano de contingência contará com recursos do Banco Mundial, por intermédio do Programa Rio Rural, na ordem R$ 30 milhões. O investimento será aplicado em ações como implantação de sistemas de nutrição para os rebanhos, que sofrem com a falta de pasto, e na perfuração de poços artesianos para uso coletivo.

– Serão reservatórios de água para matar a sede do gado e também irrigar lavouras. Somente o trabalho de perfuração dos poços vai utilizar R$ 12 milhões – explicou Christino Áureo.

Para execução do plano, foi criada uma força-tarefa formada por técnicos das empresas vinculadas à Secretaria estadual de Agricultura – Emater-Rio e Pesagro-Rio – e da Defesa Agropecuária. As ações vão beneficiar cerca de 13 mil pequenos produtores prejudicados pela estiagem e serão executadas durante todo o ano de 2015. Além dos municípios das regiões Norte e Noroeste, também receberão auxílio agricultores familiares de São Sebastião do Alto, Cantagalo e Trajano de Moraes, cidades da Região Serrana mais afetadas pela estiagem.

Para ter acesso aos benefícios, os proprietários deverão adotar as práticas indicadas pelo programa Rio Rural, que promove a agricultura sustentável em 350 microbacias do estado. Implantado em 2008, o programa vem incentivando, com recursos do Banco Mundial, a preservação de nascentes, o replantio de matas ciliares e ações de manejo sustentável, entre outras ações, que visam especialmente à preservação das águas no ambiente rural.

– Temos depoimentos de produtores de municípios do Norte e Noroeste fluminense que adotaram essas práticas e hoje estão sofrendo menos com a estiagem – disse o secretário.



sábado, 24 de janeiro de 2015

Praia de Guaxindiba comemora padroeira N.S. dos Navegantes


Erosão em Estrada do Carrapato preocupa motoristas

Uma internauta enviou imagens da erosão em um trecho da Estrada que liga as localidades do Espiador a Carrapato em São Francisco de Itabapoana. Segundo o presidente da AMPROAC – Associação de Moradores e Produtores Agrícolas de Carrapato, Alaildo Gomes, em entrevista à Rádio São Francisco FM, a situação é crítica. “Algo tem que ser feito urgentemente pois a Estrada está abrindo no meio com a erosão”, disse.

O presidente da AMPROAC cobrou as promessas feitas pelo governo do Estado, na administração Sergio Cabral anunciadas por um deputado estadual de que o trecho da Estrada seria asfaltado antes das eleições de 2014. “Passou a eleição e a Estrada não foi asfaltada”, reclamou Alaido que agora chama atenção das autoridades para o perigo que representa a cratera que vem sendo aberta pela natureza na Estrada.
Erosão



Vala na RJ-224

Já no trecho da Rodovia RJ-224 entre São Francisco de Itabapoana  e a comunidade de Volta Redonda, uma vala foi aberta no asfalto com cerca de 20 centímetros de largura. Dezenas de motoristas e motociclistas ligaram para a Rádio São Francisco FM pedindo ao DER – Departamento de Estradas de Rodagens e a Secretaria Municipal de Obras da prefeitura de SFI que compareçam ao local para fechar a vala. Os moradores reivindicam ao DER a construção de um quebra-molas no local. Como o DER não atendeu aos moradores, um grupo de pessoas, não se sabe quem, durante a noite cortaram a Rodovia abrindo a vala.  




Susto na RJ-224

 Motorista perde controle de direção e carro bate em barranco. Família saiu ilesa do acidente.



O destino, a Praia de Santa Clara no litoral de São Francisco de Itabapoana (RJ). O motorista do veículo Classic da Chevrolet da cidade de Campos dos Goytacazes acabou perdendo o controle de direção na RJ-224, próximo a localidade de Floresta colidindo em um barranco.

O acidente foi   na tarde de sexta-feira, 23, por volta das 16h45m. Felizmente foi só um susto. A família que estava no carro saiu ilesa, restando apenas prejuízos materiais. Estavam no veículo além do motorista, uma mulher, uma adolescente e uma criança.


Todo final de semana a partir de sexta-feira aumenta significativamente o movimento de veículos na Rodovia RJ-224 que liga a BR-101 em Travessão de Campos ao município de São Francisco de Itabapoana. Policiais do Batalhão de Polícia Rodoviária posto de Imburi, recomendam muita atenção e pedem aos motoristas que não insistam em ultrapassagens indevidas. É preciso calma e muita paciência. "O importante é o motorista fazer uma boa viagem e chegar bem com a família ao seu destino. Todo cuidado é pouco”, diz um PM. 




Procissão de fé pela chuva na terra árida

Fotos: Daniel Junqueira.


A seca que assola o município de São Francisco de Itabapoana  sem chover há vários meses motivou os católicos a realizarem uma procissão pedindo chuva.  

Conforme estava programado, os católicos saíram em procissão na tarde desta sexta-feira, 23, da comunidade de Alegria dos Anjos até Valão Seco localidades da zona Rural de São Francisco de Itabapoana. Participaram, ainda, fiéis  de Praça Imaculada, São Francisco de Paula e Guaxindiba, além de cavaleiros  e agricultores do município.

No percurso da procissão os fiéis oraram e rezaram  o terço da misericórdia acompanhado de cânticos pedindo chuva. De autoria do Papa Paulo VI a oração pedindo chuva também foi cantada pelos fiéis conforme letra.

Oração para pedir a chuva

Deus, nosso Pai, Senhor do Céu e da Terra (Mt 11, 21)
Tu és para nós existência, energia e vida (Act 17, 2).
Criaste o homem à Tua imagem (Gn 1, 27-28)
a fim de que com o seu trabalho ele faça frutificar
as riquezas da terra
colaborando assim na Tua criação.

Temos consciência da nossa miséria e fraqueza:
nada podemos fazer sem Ti (Jo 15, 5)..

Tu, Pai bondoso, que sobre todos fazes brilhar o sol (Mt 5, 45)
e fazes cair a chuva,
tem compaixão de todos os que sofrem duramente
pela seca que nos ameaça nestes dias.

Escuta com bondade as orações que Te são dirigidas
com confiança pela Tua Igreja (Lc 4, 25),
como satisfizeste súplicas do profeta Elias (1Rs 17, 1)
que intercedia em favor do Teu povo (Tgo 5, 17-18).

Faz cair do céu sobre a terra árida
a chuva desejada
a fim de que renasçam os frutos (Tg 5, 18)
e sejam salvos homens e animais (Sl 35, 7).

Que a chuva seja para nós o sinal
da Tua graça e da Tua bênção:
assim, reconfortados pela Tua misericórdia (cf. Is 55, 10-11),
dar-te-emos graças por todos os dons da terra e do céu,
com os quais o Teu Espírito satisfaz a nossa sede (Jo 7, 37-38).

Por Jesus Cristo, Teu Filho,
que nos revelou o Teu amor,
fonte de água viva, que brota para a vida eterna (Jo 4, 14).
Amém.

Tempo de Deus. 

A ministra de eucaristia, da Igreja de Santa Cruz em Valão Seco,  Rita de Cassia, disse que agora e aguardar o tempo de Deus. “Assim que chover, conforme tradicionalmente ocorre, vamos realizar a  procissão de retorno,  para troca dos Santos", concluiu.
Adicionar legenda


sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Apelando para a fé: procissão pede chuva em São Francisco de Itabapoana



Foto: Google Street View
Católicos de localidades da Zona Rural de São Francisco de Itabapoana estão apelando para a fé na esperança da chegada de chuvas ao município. As comunidades católicas de Alegria dos Anjos e Valão Seco estão convidando os agricultores para uma procissão, nesta sexta-feira, 23/01, às 15 horas, para pedir chuva.


Segundo os organizadores, a procissão sairá de Alegria dos Anjos rumo à localidade de Valão Seco, em um percurso de 2 quilômetros. Após a procissão haverá a troca dos santos. A imagem do Anjo da Guarda, Padroeiro dos católicos de Alegria dos Anjos, ficará na Igreja de Valão Seco, enquanto a Santa Cruz será levada para Alegria dos Anjos. As imagens voltarão aos locais de origem somente quando vier a primeira chuva. A procissão é uma tradição nas duas comunidades.

“É uma tradição antiga em nossa comunidade. Inclusive há hinos que falam sobre esse pedido por chuva. Nós estamos coletando junto aos mais antigos esses cânticos para cantarmos durante a procissão. Trata-se de uma clemência ao Pai, pedindo a sua misericórdia por chuva, já que muitos animais estão morrendo e os brejos secando. Faremos essa procissão com toda a fé de nosso coração”, disse Rita de Cássia, ministra da Eucaristia de Valão Seco.

Outras duas comunidades realizarão o mesmo ritual: Santa Rita e Barro Branco, localidades no entorno do Centro da cidade. A procissão será na terça-feira, 27-01, às 16 horas. As imagens dos Padroeiros dos Católicos desses dois lugares também serão trocadas. Nossa Senhora da Penha será levada da Igreja de Santa Rita para Barro Branco, enquanto a imagem de São Francisco de Assis ficará alguns dias em Santa Rita.

Fotos: Alessandra Lemos/Arquivo do Blog
Como a agricultura é o “carro chefe” da economia sanfranciscana, o município enfrenta problemas com a seca, em pleno verão, que é considerado o período das fortes chuvas. Cursos d’água, brejos, lagoas, rios e outros recursos hídricos estão secando. Até as tradicionais cacimbas estão secando com o lençol freático baixo. Com isso falta água para irrigar as lavouras, para matar a sede dos rebanhos, além do pasto estar seco.

Como o Blog noticiou aqui, o Governo do Rio de Janeiro lançará nesta segunda-feira, 26, um plano emergencial para enfrentar à seca. A iniciativa pretende beneficiar cerca de 13 mil produtores do Norte e Noroeste Fluminense.

Fenômeno raro: filhotes albinos de tartarugas marinhas nascem em São Francisco de Itabapoana



Durante a temporada de desova das tartarugas marinhas 2014/2015 na costa de São Francisco de Itabapoana, que iniciou em setembro e vai até março, aconteceu um fenômeno raro: o nascimento de filhotes albinos.

No dia 20 de dezembro de 2014, na Sub-base do Projeto Tamar de São Francisco de Itabapoana, de um ninho de tartaruga-cabeçuda encontrado na Praia do Gargaú, nasceram 118 filhotes sendo 8 albinos.

Os 8 filhotes foram levados à Base do Projeto Tamar de Ubatuba, no Litoral do Estado de São Paulo. Os animais chegaram bem e serão estudados pelos biólogos do Tamar.

Como qualquer outra espécie animal, tartarugas marinhas também podem nascer com albinismo, que é a falta de pigmentação na pele (ausência de cor), causada por fatores genéticos. Geralmente são muito frágeis, e com poucas chances de sobreviver na natureza.

No ciclo de vida das tartarugas marinhas, estima-se que apenas um em cada mil filhotes nascidos sobrevivam até a idade adulta. Isto acontece de forma natural, já que os pequenos filhotes de tartarugas marinhas que nascem com cerca de 10cm de comprimento servem de alimento para uma grande diversidade de animais (caranguejos, polvos, aves marinhas e principalmente os peixes).

No caso dos filhotes albinos esta probabilidade de sobrevivência é ainda menor já que a falta de coloração torna muito fácil sua localização pelos predadores, aumentando as chances de serem comidos logo nos primeiros dias de vida.

Animais albinos têm maiores chances de sobrevivência no caso de espécies que vivem em grandes profundidades no mar ou em cavernas (ambientes com total ausência de luz), ou ainda em ambientes alterados, onde os predadores naturais já não existem mais.

Em cativeiro, sob cuidados especiais, as chances de sobrevivência das tartarugas albinas aumenta. O Tamar em Ubatuba recebeu em 1994 dois filhotes albinos, também nascidos no Norte Fluminense, sendo que um deles chegou a sobreviver por 6 anos. Outros 8 filhotes foram recebidos em 2002, mas nenhum sobreviveu.

O albinismo é um fenômeno muito raro em tartarugas marinhas, e esses filhotes estão no Tamar para estudo.

Criado há 35 anos, o Projeto Tamar é uma cooperação entre o Centro Tamar/ICMBio e a Fundação Pró-Tamar. Tem o patrocínio oficial da Petrobras, através do programa Petrobras Sociambiental, e o apoio do Título de Capitalização Bradesco Pé Quente. Atua em nove estados brasileiros, onde recebe diversos apoios locais.


Em Ubatuba, recebe o apoio da Arcor do Brasil e da Prefeitura Municipal de Ubatuba. Todos os recursos captados são revertidos integralmente para as atividades de conservação das tartarugas marinhas.

Blog do Paulo Noel com informações do Projeto Tamar